File: project-history.pt.sgml

package info (click to toggle)
debian-history 2.19
  • links: PTS, VCS
  • area: main
  • in suites: jessie, jessie-kfreebsd
  • size: 1,044 kB
  • ctags: 9
  • sloc: makefile: 120
file content (763 lines) | stat: -rw-r--r-- 39,477 bytes parent folder | download | duplicates (3)
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
100
101
102
103
104
105
106
107
108
109
110
111
112
113
114
115
116
117
118
119
120
121
122
123
124
125
126
127
128
129
130
131
132
133
134
135
136
137
138
139
140
141
142
143
144
145
146
147
148
149
150
151
152
153
154
155
156
157
158
159
160
161
162
163
164
165
166
167
168
169
170
171
172
173
174
175
176
177
178
179
180
181
182
183
184
185
186
187
188
189
190
191
192
193
194
195
196
197
198
199
200
201
202
203
204
205
206
207
208
209
210
211
212
213
214
215
216
217
218
219
220
221
222
223
224
225
226
227
228
229
230
231
232
233
234
235
236
237
238
239
240
241
242
243
244
245
246
247
248
249
250
251
252
253
254
255
256
257
258
259
260
261
262
263
264
265
266
267
268
269
270
271
272
273
274
275
276
277
278
279
280
281
282
283
284
285
286
287
288
289
290
291
292
293
294
295
296
297
298
299
300
301
302
303
304
305
306
307
308
309
310
311
312
313
314
315
316
317
318
319
320
321
322
323
324
325
326
327
328
329
330
331
332
333
334
335
336
337
338
339
340
341
342
343
344
345
346
347
348
349
350
351
352
353
354
355
356
357
358
359
360
361
362
363
364
365
366
367
368
369
370
371
372
373
374
375
376
377
378
379
380
381
382
383
384
385
386
387
388
389
390
391
392
393
394
395
396
397
398
399
400
401
402
403
404
405
406
407
408
409
410
411
412
413
414
415
416
417
418
419
420
421
422
423
424
425
426
427
428
429
430
431
432
433
434
435
436
437
438
439
440
441
442
443
444
445
446
447
448
449
450
451
452
453
454
455
456
457
458
459
460
461
462
463
464
465
466
467
468
469
470
471
472
473
474
475
476
477
478
479
480
481
482
483
484
485
486
487
488
489
490
491
492
493
494
495
496
497
498
499
500
501
502
503
504
505
506
507
508
509
510
511
512
513
514
515
516
517
518
519
520
521
522
523
524
525
526
527
528
529
530
531
532
533
534
535
536
537
538
539
540
541
542
543
544
545
546
547
548
549
550
551
552
553
554
555
556
557
558
559
560
561
562
563
564
565
566
567
568
569
570
571
572
573
574
575
576
577
578
579
580
581
582
583
584
585
586
587
588
589
590
591
592
593
594
595
596
597
598
599
600
601
602
603
604
605
606
607
608
609
610
611
612
613
614
615
616
617
618
619
620
621
622
623
624
625
626
627
628
629
630
631
632
633
634
635
636
637
638
639
640
641
642
643
644
645
646
647
648
649
650
651
652
653
654
655
656
657
658
659
660
661
662
663
664
665
666
667
668
669
670
671
672
673
674
675
676
677
678
679
680
681
682
683
684
685
686
687
688
689
690
691
692
693
694
695
696
697
698
699
700
701
702
703
704
705
706
707
708
709
710
711
712
713
714
715
716
717
718
719
720
721
722
723
724
725
726
727
728
729
730
731
732
733
734
735
736
737
738
739
740
741
742
743
744
745
746
747
748
749
750
751
752
753
754
755
756
757
758
759
760
761
762
763
<!doctype debiandoc system>

<!--
   In sync with: 1.28
   Michelle Ribeiro <michelle@cipsga.org.br>
-->
<book>
<title>Uma Breve História do Debian</title>
<author>Time de Documentação do Debian<email>debian-doc@lists.debian.org</email>
<author>Tradução: Michelle Ribeiro<email>michelle@cipsga.org.br</email></author>
<version>2.4 (última revisão em 31 de Julho de 2002)</version>

<abstract>
Este documento descreve a história e os objetivos do projeto Debian.
</abstract>

<copyright>
Este documento pode ser livremente redistribuído ou modificado de qualquer 
forma, desde que suas mudanças sejam claramente documentadas. 

<p>
Este documento pode ser livremente redistribuído e pode ser modificado 
(incluindo mudança para um outro tipo de mídia ou formato de arquivo 
ou de uma língua para outra) desde que todas as modificações realizadas
sejam especificadas. 

<p>
Contribuições significantes para este documento foram feitas por
<list>
<item>Bdale Garbee <email>bdale@debian.org</email>
<item>Hartmut Koptein <email>koptein@debian.org</email>
<item>Nils Lohner <email>lohner@debian.org</email>
<item>Will Lowe <email>lowe@debian.org</email>
<item>Bill Mitchell <email>Bill.Mitchell@pobox.com</email>
<item>Ian Murdock <email>imurdock@debian.org</email>
<item>Martin Schulze <email>joey@debian.org</email>
<item>Craig Small <email>csmall@debian.org</email>
</list>

<p>
Este documento atualmente é mantido principalmente por Bdale Garbee
<email>bdale@debian.org</email>.

<p>
A tradução para o idioma português (Brasil) é atualmente mantida por:
<list>
<item>Michelle Ribeiro <email>michelle@cipsga.org.br</email>
</list>

<p>
A tradução inicial foi feita por:
<list>
<item>Tradutor: Israel Mendes Biscaia Filho
<email>israelmbf@kovacs.com.br</email>
<item>Revisor: João Alberto de França Ferreira
<email>joaoff@esquadro.com.br</email>
</list>

</copyright>

<toc>

<chapt id="intro">Introdução -- O que é o Projeto Debian?

<p>
<url id="http://www.debian.org/" name="O Projeto Debian"> é um 
grupo mundial de voluntários que se esforçam para produzir um sistema
operacional livre que é composto inteiramente por software livre. O
produto principal do projeto é a distribuição Debian GNU/Linux, que
inclui o kernel do sistema operacional Linux e centenas de aplicações
pré empacotadas. Vários tipos de processadores são suportados, 
incluindo o Intel i386 e superior, Alpha, ARM, Motorola 68k, MIPS, 
PowerPC, Sparc, e UltraSparc, HP PA-RISC, IBM S/390 e Hitachi SuperH.

<p>
O Projeto Debian levou à criação da 
<url id="http://www.spi-inc.org/" name="Software de Interesse Público">,
organização sem fins lucrativos, localizada em Nova York. A SPI foi 
fundada para ajudar o Debian e outras organizações abertas de 
desenvolvimento e distribuição de software e hardware. Junto com 
outras coisas, a SPI provê um mecanismo pelo qual o Projeto Debian 
pode aceitar contribuições que são dedutíveis no imposto nos Estados
Unidos. 

<p>
Para maiores informações sobre software livre, leia o <url
id="http://www.debian.org/social_contract" name="Contrato Social Debian"> e 
a Definição de Software Livre do Debian ou <url id="http://www.debian.org/intro/free" name="O que significa livre para o Debian?">

<sect>No começo


<p>
O Projeto Debian foi oficialmente fundado por Ian Murdock em 16 de Agosto 
de 1993.  Naquele tempo, o conceito de uma "distribuição" de Linux era novo. 
Ian pretendia que o Debian fosse uma distribuição criada abertamente,
no mesmo espírito do Linux e do GNU (leia seu manifesto fornecido como apêndice
nesse documento para maiores detalhes). A criação do Debian teve o apoio do
projeto GNU da FSF durante um ano (Novembro de 1994 a Novembro de 1995).

<p>
A distribuição Debian pretendia ser cuidadosamente e conscientemente criada 
em conjunto e ser mantida e suportada com similar cuidado. Isso começou com 
um pequeno e forte grupo de hackers do Software Livre e gradualmente cresceu,
se tornando uma grande e bem organizada comunidade de desenvolvedores e 
usuários.

<p>
A Debian é a única distribuição que é aberta para que todo desenvolvedor e 
usuário possa contribuir com seu trabalho. É o único distribuidor significativo
de Linux que não é uma entidade comercial. É o único grande projeto com 
uma constituição, um contrato social e documentos com políticas para organizar
o projeto. A Debian também é a única distribuição que é micro-empacotada,  
usando informações detalhadas de dependência de pacotes para garantir a 
consistência do sistema em atualizações. 

<p>
Para alcançar e manter um alto padrão de qualidade, o Debian adotou um rico
conjunto de políticas e procedimentos para empacotamento e distribuição de 
software. Backups são automatizados através de ferramentas e a documentação
detalha todos os elementos chaves do Debian de uma forma aberta e visível.

</sect>

<sect>Pronunciando Debian

<p>
A pronúncia oficial de Debian é 'débian'.  O nome vem do nome do criador do Debian, 
Ian Murdock, e sua esposa, Debra.  


</sect>
</chapt>

<chapt id="leaders">Liderança

<p>
O Debian teve vários líderes desde seu começo em 1993.

<p>
Ian Murdock fundou o Debian em Agosto de 1993 e liderou até Março de 1996.

<p>
Bruce Perens liderou o Debian de Abril de 1996 até Dezembro de 1997.

<p>
Ian Jackson liderou o Debian de Janeiro de 1998 até Dezembro de 1998.

<p>
Wichert Akkerman liderou o Debian de Janeiro de 1999 até Março de 2001.

<p>
Ben Collins liderou o Debian de Abril de 2001 até Abril de 2002.

<p>
Bdale Garbee liderou o Debian de Abril de 2002 até Abril de 2003.

<p>
Martin Michlmayr foi eleito em Março de 2003 e é nosso atual líder.

</chapt>

<chapt id="releases">Versões do Debian

<p>Debian 0.01 até 0.90 (Agosto-Dezembro de 1993)

<p>
Debian 0.91 (Janeiro de 1994): Esta versão teve um sistema de pacotes 
simples que podia instalar e desinstalar pacotes. O projeto cresceu para
uma dúzia de pessoas nesse ponto. 

<p>
Debian 0.93R5 (Março de 1995): A responsabilidade sob cada pacote 
foi designada a um desenvolvedor e o gerenciador de pacotes 
(<prgn>dpkg</prgn>) foi usado para instalar pacotes depois da instalação 
do sistema base.

<p>
Debian 0.93R6 (Novembro de 1995): O <prgn>dselect</prgn> aparece. Esta 
foi a última versão do Debian que usava o formato binário a.out; haviam 
cerca de 50 desenvolvedores. O primeiro servidor master.debian.org 
foi construído por Bdale Garbee e hospedado pela HP em paralelo ao 
lançamento da 0.93R6.  O posicionamento de um explícito servidor principal
no qual cada desenvolvedor Debian pode construir cada versão levou diretamente
a formação da rede de mirrors Debian e, indiretamente, ao desenvolvimento de
muitas das políticas e procedimentos usados para gerenciar o projeto hoje. 


<p>
A Debian 1.0 nunca foi lançada: Acidentalmente, Infomagic, uma empresa 
vendedora de CD, lançou a versão em desenvolvimento do Debian e 
a chamou de 1.0. Em 11 de Dezembro de 1995, Debian e Infomagic 
juntamente anunciaram que este lançamento foi indevido. Bruce Perens 
explicou que os dados colocados no conjunto de 5 CDs, "Fonte para 
Desenvolvedores Linux", de novembro de 1995, com "Debian 1.0" não era
a versão 1.0 do Debian, mas uma versão em desenvolvimento que estava 
parcialmente no formato ELF, que provavelmente não iniciaria ou seria
executada corretamente, e não apresentaria a qualidade de uma versão Debian.
Para evitar confusões entre o CD prematuro e a atual versão do Debian, o
projeto Debian renomeou sua próxima versão para "Debian 1.1". A Debian 1.0
prematura, incluída no CD, é desaprovada e não deveria ser usada.
<p>


Debian 1.1 <em>Buzz</em> (Junho de 1996): Esta foi a primeira versão Debian 
com um codinome. Este foi retirado, como todos os outros, de uma personagem
do filme <em>Toy Story</em>... nesse caso, Buzz Lightyear. Neste momento, 
Bruce Perens tomava a liderança do Projeto de Ian Murdock e Bruce trabalhava na
Pixar, a companhia que produziu o filme. Esta versão era toda em ELF, usada 
pelo kernel Linux 2.0 e continha 474 pacotes.

<p>
Debian 1.2 <em>Rex</em> (12 de Dezembro de 1996): Apelidada com o nome do 
dinossauro de plástico do filme. Esta versão consistia em 848 pacotes 
mantidos por 120 desenvolvedores.

<p>
Debian 1.3 <em>Bo</em> (5 de Julho de 1997): Apelidada de Bo Peep, a pastora.
Esta versão consistia em 974 pacotes mantidas por 200 desenvolvedores.

<p>
Debian 2.0 <em>Hamm</em> (24 de Julho de 1998): Nomeada com o nome do porquinho
do filme. Esta foi a primeira versão do Debian para múltiplas arquiteturas, 
adicionando o suporte para as arquiteturas da série Motorola 68000. Com 
Ian Jackson como líder do Projeto, esta versão fez a transição para a libc6 e
consistia em torno de 1500 pacotes mantidos por 400 desenvolvedores.

<p>
Debian 2.1 <em>Slink</em> (09 de Março de 1999): Nomeada com o nome do 
cachorro-mola do filme. Mais duas arquiteturas foram adicionadas, 
<url id="http://www.debian.org/ports/alpha/" name="Alpha">
e
<url id="http://www.debian.org/ports/sparc/" name="SPARC">.  
Com Wichert Akkerman como líder do projeto, esta versão consistia 
em cerca de 2250 pacotes e requeria 2 CDs no conjunto oficial. A inovação
técnica foi a inclusão do <prgn>apt</prgn>, uma nova interface de gerenciamento
de pacotes. Mundialmente copiado, apt é o grande responsável pelo crescimento
contínuo do Debian e estabeleceu um novo paradigma para a aquisição e
instalação de pacotes em sistemas operacionais de fonte aberta.  

<p>
Debian 2.2 <em>Potato</em> (15 de Agosto de 2000): Apelidada com o nome do
personagem "Sr Cabeça de Batata" do filme. Esta versão adicionou o suporte 
para as arquiteturas 
<url id="http://www.debian.org/ports/powerpc/" name="PowerPC">
e 
<url id="http://www.debian.org/ports/arm/" name="ARM">.
Com Wichert ainda atuando como líder do projeto, esta versão consistia em 
mais de 3900 pacotes derivados de 2600 pacotes fontes mantidos por mais de 
450 desenvolvedores Debian.

<!-- (jfs) Is this too long? I do not see the number of binary/source
packages in the release notes, also the number of DD could be revised -->

<p>
Debian 3.0 <em>woody</em> (19 de Julho de 2002): Nomeada com o nome da 
personagem principal do filme: "woody", o cowboy. 
Mais arquiteturas foram adicionadas a esta versão:
<url id="http://www.debian.org/ports/ia64/" name="Ia-64">,
<url id="http://www.debian.org/ports/hppa/" name="HP PA-RISC">,
<url id="http://www.debian.org/ports/mips/" name="MIPS (big endian)">,
<url id="http://www.debian.org/ports/mipsel/" name="MIPS (little endian)">
e
<url id="http://www.debian.org/ports/s390/" name="S/390">. Esta também foi 
a primeira versão a incluir software com criptografia devido as restrições
de exportação que foram <em>iniciadas</em> nos EUA e a primeira a incluir 
o KDE, agora que os problemas com a licença da QT foram resolvidas. 
Com Bdale Garbee recentemente eleito Líder do Projeto e mais de 900 
desenvolvedores Debian, esta versão continha 8900 pacotes e 7 CDs binários
no conjunto oficial.

</chapt>

<chapt>Uma história detalhada

<sect>As versões 0.x

<p>
O Debian foi iniciado em 1993 por Ian Murdock, então um estudante na 
Universidade Pardue. O Debian foi patrocinado pelo Projeto GNU da 
<url id="http://www.fsf.org" name="Free Software Foundation">, a 
organização de Richard Stallman e associada com a Licença Pública Geral
(GPL), por um ano -- de Novembro de 1994 a Novembro de 1995.

<p>
A Debian 0.01 até Debian 0.90, que foram lançadas entre Agosto e Dezembro de 
1993.  Ian Murdock escreveu o seguinte:

<p>
"A Debian 0.91 foi lançada em Janeiro de 1994.  Esta tinha um sistema de 
pacotes primário que permitia os usuários a manipular pacotes mas nada mais 
(certamente não haviam dependências ou algo do tipo). Naquele tempo, em que
haviam meia dúzias de pessoas trabalhando no Debian, eu praticamente construí
essa versão sozinho. A versão 0.91 foi a última a ser lançada dessa forma. 

<p>
A maior parte do ano de 1994 foi gasto organizando o Projeto Debian, de 
forma que outros podessem contribuir mais efetivamente e também trabalhando no 
<prgn>dpkg</prgn> (Ian Jackson foi o maior responsável por ele). Não 
houveram lançamentos para o público em 1994 pelo o que posso me lembrar, 
apesar de terem ocorridos vários lançamentos internos para que pudéssemos
trabalhar em tornar o processo o mais correto possível. 

<p>
O lançamento da Debian 0.93 versão 5 ocorreu em Março de 1995 e foi a
primeira versão "moderna" do Debian: existiam muito mais desenvolvedores 
(A não me lembro exatamente quantos), cada um mantendo seus próprios
pacotes, e o <prgn>dpkg</prgn> começou a ser utilizado para instalar e 
manter todos estes pacotes depois que um sistema básico havia sido instalado. 

<p>
O lançamento da Debian 0.93 versão 6 ocorreu em Novembro de 1995 e foi 
a última versão com o a.out. Haviam mais 60 desenvolvedores mantendo pacotes
na 0.93R6.  Se eu me lembro corretamente, o dselect fez sua primeira aparição
na 0.93R6."


<p>
Ian Murdock também nota que a Debian 0.93R6 "... sempre foi minha versão preferida
do Debian", embora ele admita alguma influência pessoal, já que ele parou de trabalhar
ativamente no projeto em Março de 1996 durante a pré-produção da Debian 1.0, que foi
lançada como Debian 1.1 para evitar confusão depois da produção em CDROM rotulada 
incorretamente como 1.0 e não lançada. O incidente levou a criação do conceito de 
imagens de CDROM "oficiais", como uma forma do projeto ajudar os vendedores a evitar
este tipo de engano. 

<p>
Durante o mês de Agosto de 1995 (entre o Debian 0.93 versão 5 e o Debian 0.93
versão 6), Hartmut Koptein iniciou o primeiro porte do Debian, para a família 
Motorola m68k. Ele relatou que "muitos, muitos pacotes são i386-centric 
(little endian, -m486, -O6 e todos para a libc4), demorou um tempo para 
obter uma base de pacotes inicial em minha máquina (uma Atari
Medusa 68040, 32 MHz).  Depois de três meses (em Novembro de 1995),
foram enviados 200 pacotes de 250 pacotes disponíveis, todos para a libc5!"
Depois ele iniciou outro porte junto com Vincent Renardias e Martin Schulze, 
para a família PowerPC.

<p>
Desde aquele tempo, o Projeto Debian cresceu muito, incluindo vários 
<url id="http://www.debian.org/ports/" name="portes"> para outras arquiteturas, 
e um porte para um novo kernel (não-Linux), o microkernel GNU Hurd.

<p>
Um antigo membro do projeto, Bill Mitchell, lembra-se do kernel Linux:

<p>
"... começou entre o 0.99r8 e o 0.99r15. Por um longo tempo, eu pude compilar
o kernel em menos de 30 minutos em uma máquina 386, com 20 Mhz e pude também 
fazer uma instalação do Debian, no mesmo tempo, em um disco com 10Mb. 

<p>
" ... lembro que o grupo inicial incluía Ian Murdock, eu, Ian Jackson, outro
Ian do qual eu não me lembro o sobrenome, Dan Quinlan, e outras pessoas das quais
eu não lembro o nome. Matt Welsh também fez parte do grupo inicial ou juntou-se
bem cedo (ele deixou o projeto hoje). Alguém configurou uma lista de discussão e 
aqui estamos. 

<p>
Pelo que me lembro, nós não começamos com um plano e nós não planejamos qualquer
organização. Começamos pegando códigos de um grupo variado de pacotes. Depois de 
um tempo, nos focamos em um grupo de itens que são necessários em uma distribuição:
o kernel, um shell, update, getty, vários outros programas e arquivos suportados
necessários para inicializar o sistema e um grupo de utilitários. " 

<sect1>O Primeiro Sistema de Empacotamento Debian

<p>
Nos primeiros estágios do projeto, os membros consideravam a distribuição de pacotes
apenas com seu código. Cada pacote consistia no código do autor e um patch 'debianizado", 
e os usuários poderiam descompactar o código, aplicar os patchs e compilar os binários
eles mesmos. No entanto, eles logo viram que algum tipo de esquema de distribuição
de binários era necessário. A primeira ferramenta de empacotamento, escrita por Ian 
Murdock e chamada de <prgn>dpkg</prgn>, criava um pacote em formato binário específico
do Debian e podia ser usado para descompactar e instalar os arquivos do pacote. 

<p>
Ian Jackson logo terminou o desenvolvimento da ferramenta de empacotamento, renomeando-a
para <prgn>dpkg-deb</prgn> e escreveu uma interface, que ele chamou de 
<prgn>dpkg</prgn>, para facilitar o uso do <prgn>dpkg-deb</prgn> e que forneceu
o sistema de <em>Dependências</em> e <em>Conflitos</em> do sistema Debian de hoje. Os pacotes produzidos por estas ferramentas têm um cabeçalho que lista a 
versão da ferramenta usada para criá-los e uma impressão dentro do arquivo,
um outro arquivo produzido pelo <prgn>tar</prgn>, que foi separado do cabeçalho
por algumas informações de controle. 
 
<p>
Neste momento, começou um debate entre os membros do projeto - alguns sentiram 
que o formato específico do Debian criado pelo <prgn>dpkg-deb</prgn> deveria ser
retirado, em favor do formato produzido pelo programa <prgn>ar</prgn>. Depois 
de vários formatos de arquivos e ferramentas de empacotamento revisados, o formato
<prgn>ar</prgn> foi adotado. O principal fator dessa mudança é que isso faz com que
seja possível que um pacote Debian seja novamente empacotado em qualquer sistema 
Unix-like sem que seja necessário rodar um executável não confiável. Em outras
palavras, somente ferramentas padrões, presentes em qualquer sistema Unix, como
'ar' e 'tar' são necessárias para desempacotar um pacote binário Debian e examinar
seu conteúdo. 
</sect1>

<sect>As versões 1.x

<p>
Quando o Ian Murdock deixou o Debian, ele indicou o Bruce Perens para se tornar
o próximo líder do projeto.  Bruce se interessou pelo Debian quando estava tentando
criar uma distribuição Linux que rodasse a partir do CD, chamada "Linux for Hams", 
que incluiria todos os softwares para operadores de rádio.  Vendo que o sistema 
básico do Debian necessitava de muito mais para suportar seu projeto, 
Bruce acabou trabalhando duro no sistema básico do Linux e ferramentas de instalação
relacionadas, adiando sua distribuição, incluindo a organização (junto com o Ian
Murdock) do primeiro conjunto de scripts de inicialização, o que resultou nos 
disquetes de boot que o Debian usa hoje. 

<p>
Em sua declaração, Ian Murdock disse: 

<p>
"Bruce é a escolha natural de um sucessor meu, uma vez que ele vem mantendo 
o sistema básico por mais um ano, e cobria os buracos que eu deixava, já que
o tempo que destinava para o Debian, diminuía cada vez mais." 

<p>

Ele iniciou muitas coisas importantes do projeto, incluindo a coordenação do esforço
para produzir o documento Debian Free Software Guidelines (Definição Debian de Software Livre) e a inicialização do Open Hardware Project. Durante o seu tempo como
Líder do Projeto, o Debian obteve um grande marketing e ganhou a reputação de uma
plataforma para usuários tecnicamente capazes e sérios. 

<p>
Bruce Perens também liderou o esforço para criar a <url
id="http://www.spi-inc.org/" name="Software in the Public Interest,
Inc.">.  Originalmente criada para fornecer ao Projeto Debian uma entidade legal 
capaz de aceitar doações, ela rapidamente se tornou uma entidade que suporta
vários outros projetos de software livre.

<p>
As seguintes versões do Debian foram lançadas nessa época:

<p>
<list>
<item>1.1 <em>Buzz</em> lançada em Junho de 1996 (474 pacotes, kernel 2.0, totalmente em ELF, <prgn>dpkg</prgn>)
<item>1.2 <em>Rex</em> lançada em Dezembro de 1996 (848 pacotes, 120 desenvolvedores)
<item>1.3 <em>Bo</em> lançada em Julho de 1997 (974 pacotes, 200 desenvolvedores)
</list>

<p>
Houveram vários "pontos de lançamento" para a 1.3,  sendo o último o 1.3.1R6.

<p>
Bruce Perens foi substituído por Ian Jackson no começo de Janeiro de 1998, 
depois de liderar o projeto até a preparação da versão 2.0.
</sect>

<sect>As versões 2.x

<p>
Ian Jackson tornou-se o líder do Projeto Debian no começo de 1998, 
e desde então foi adicionado a diretoria da "Software in
the Public Interest", como vice-presidente.  Depois da saída do tesoureiro
(Tim Sailer), do presidente (Bruce Perens) e do secretário (Ian Murdock), ele
se tornou presidente e três novos membros foram escolhidos: Martin Schulze (vice-presidente),
Dale Scheetz (secretário) e Nils Lohner (tesoureiro).

<p>
A Debian 2.0 (<em>Hamm</em>) foi lançada em julho de 1998 para as arquiteturas Intel i386
e Motorola 68000. Este lançamento marcou a mudança para uma nova versão das bibliotecas de 
sistemas C (glibc2 ou libc6, por questões históricas).  No momento do lançamento, haviam 1500+
pacotes mantidos por mais de 400 desenvolvedores Debian.

<p>
Wichert Akkerman sucedeu o Ian Jackson como líder do Projeto Debian em Janeiro de 
1999.  A <url id="http://www.debian.org/releases/slink/" name="Debian 2.1">
foi <url id="http://www.debian.org/News/1999/19990309" name="lançada"> em 09 de Março
de 1999, depois de um atraso de uma semana, quando algumas questões de última hora
apareceram.

<p>
A Debian 2.1 (<em>Slink</em>) apresentou o suporte oficial a duas novas arquiteturas:  
<url id="http://www.debian.org/ports/alpha/" name="Alpha"> e 
<url id="http://www.debian.org/ports/sparc/" name="Sparc">.  Os pacotes
X-Windows incluídos no Debian 2.1 foram altamente organizados e a 2.1 
incluiu o <prgn>apt</prgn>, a nova geração da interface de gerenciamento 
de pacotes Debian. Também, este lançamento do Debian foi o primeiro a requerer
2 CD-ROMs para o "Conjunto Oficial de CDs Debian"; a distribuição incluia cerca de
2250 pacotes.

<p>
Em 21 de Abril de 1999, <url id="http://www.corel.com/" name="a Corel
Corporation"> e o 
<url id="http://www.kde.org/" name="Projeto K Desktop"> efetivamente formaram 
uma aliança com o Debian quando a Corel anunciou sua intenção de lançar
uma distribuição Linux baseada no Debian e no desktop produzido pelo KDE. 
Durante os meses de verão e primavera seguintes, uma outra distribuição baseada
no Debian, Storm Linux, apareceu, e o Projeto Debian escolheu um novo <url
id="http://www.debian.org/logos/" name="logo">, apresentando tanto uma versão
oficial para uso em materiais encorajados pelo Debian, como CD-ROMs e websites oficiais
do projeto, e um logo não oficial para uso em materiais que mencionem ou derivem do Debian.

<p>
Um novo, único, porte do Debian também havia começado nessa época, para o <url
id="http://www.debian.org/ports/hurd/" name="Hurd">.  Este era o primeiro porte
para um kernel não Linux, em vez de usar o <url
id="http://www.gnu.org/software/hurd/hurd.html" name="GNU Hurd">, uma versão
GNU do microkernel Mach.

<!-- (jfs) talk about Progeny? and other Debian-derived distributions
like Libranet, Stormix... ?-->

<p>
A Debian 2.2 (<em>potato</em>) foi lançado em 15 de Agosto de 2000 para as 
arquiteturas Intel i386, Motorola séries 68000, alpha, SUN Sparc, PowerPC e ARM.
Este foi o primeiro lançamento a incluir os portes para PowerPC e ARM. Na época do
lançamento, haviam mais de 3900 pacotes binários e mais 2600 pacotes de fonte mantidos
por mais de 450 desenvolvedores Debian.

<p>Um fato interessante sobre o Debian 2.2 é que ele mostrou como um esforço de 
software livre pode levar a um sistema operacional moderno, despistando todas as 
questões em torno disso. Ele foi estudado a fundo por um grupo de interesse em um 
artigo chamado <url id="http://people.debian.org/~jgb/debian-counting/"
name="Contando batatas">, do qual segue uma parte do texto:
 
<p><em> "[...] nós usamos o sistema de sloccount de David A. Wheeler para determinar
o número de linhas de código físicas do código (SLOC) do Debian 2.2 (conhecido como
potato). Nós verificamos que o Debian 2.2 inclui mais de 55,000,000 SLOC físicos
(quase duas vezes mais que o Red Hat 7.1, lançado quase 8 meses depois), mostrando que o 
modelo de desenvolvimento do Debian (baseado no trabalho de um grande grupo de desenvolvedores
voluntários espalhados ao redor do mundo) é tão capaz quanto outros métodos de desenvolvimento
[...] Isto também mostrou que se o Debian estivesse sendo desenvolvido usando os tradicionais
métodos proprietários, o modelo COCOMO estima que o custo estaria perto de 
$1.9 bilhões de dólares para desenvolver o Debian 2.2. Adicionalmente, nós oferecemos tanto 
uma análise das linguagens usadas na distribuição (a maioria em C, com cerca de 70%, C++ com 10%, 
LISP e Shell em torno de 5%, e outras), e os maiores pacotes (Mozilla, o kernel Linux, PM3, 
XFree86, etc.)"</em>

</sect>

<sect>As versões 3.x
<p>Antes que a woody pudesse ser preparada para seu lançamento, uma mudança no sistema de 
arquivos no ftp-master teve que ser feito. Filas de pacotes, que permitiam a criação de
distribuições para propósitos especiais, como a nova distribuição "Teste" usada pela primeira
vez para deixar a woody pronta para lançamento, foram <url
id="http://lists.debian.org/debian-devel-announce-0012/msg00004.html"
name="ativadas no ftp-master"> no meio de Dezembro de 2000. Uma fila de pacotes
é apenas uma coleção de diferentes versões de um determinado pacote, do qual múltiplas
distribuições (atualmente experimental, instável, teste e estável) podem extrair e incluir 
os que desejar em seu arquivo Packages.

<p>Ao mesmo tempo uma nova distribuição
A <em>teste</em> havia sido introduzida.  Principalmente, pacotes da instável que 
pareciam estáveis eram movidos para a teste (depois de um período de algumas semanas). 
Isto foi feito para reduzir o tempo de congelamento (freeze) e dar ao projeto a possibilidade
de preparar uma nova versão ao mesmo tempo.

<p>Naquele período, algumas das companhias que distribuiam versões modificadas do Debian fecharam, 
começando pela Corel, que vendeu sua divisão Linux no primeiro trimestre de 2001, seguida da 
Stormix que declarou falência em 17 de Janeiro de 2001 e, finalmente, a Progeny parou o 
desenvolvimento de sua própria distribuição em 1 de Outubro de 2001.


<p>O congelamento da nova versão começou em 1 de Julho de 2001. No entanto, 
o projeto levou um pouco mais de um ano para lançá-la, devido a
<url id="http://lists.debian.org/debian-devel-announce-0104/msg00004.html"
name="problemas nos disquetes de boot">,
causados pela introdução de software criptografado no arquivo principal e a mudança na base das arquiteturas (o arquivo incoming e a arquitetura de segurança). Neste momento, no entanto, 
a versão estável (Debian 2.2) havia sido revisada por sete vezes e dois líderes do projeto
haviam sido eleitos: Ben Collins (em 2001) e Bdale Garbee. 

Também, o trabalho em muitas áreas do Debian, além do empacotamento, continuaram a crescer, 
incluindo internacionalização, o web site do Debian (mais de mil páginas web)
tem sido traduzido para mais de 20 línguas diferentes e a instalação para a próxima versão
já está pronta em mais de 23 línguas. Dois projetos internos, Debian Junior (para crianças) e Debian Med
(para médicos), iniciaram durante o lançamento da woody, dando ao projeto diferentes focos e fazendo
do Debian uma ferramenta útil para tais tarefas.

<p>O trabalho em torno do Debian não fez com que os desenvolvedores parassem de organizar um 
encontro anual chamado <em>Debconf</em>. O primeiro encontro ocorreu entre 2 e 5 de Julho junto com
o Encontro de Software Livre (Libre Software Meeting) - LSM, em Bordeaux, na França,  reunindo
40 desenvolvedores Debian. A segunda conferência ocorreu em Toronto (Canadá), em 05 de Julho de 2002, 
com mais de oitenta participantes.

<p>A Debian 3.0 (<em>woody</em>) foi lançada em 19 de Julho de 2002, para as arquiteturas
Intel i386, Motorola 68000, alpha, SUN Sparc, PowerPC, ARM, HP PA-RISC, IA-64, MIPS, MIPS (DEC)
e IBM s/390.
Este foi a primeira versão a incluir portes para HP PA-RISC, IA-64, MIPS, MIPS (DEC) 
e IBM s/390 ports. No momento do lançamento, haviam mais de 9000 pacotes binários mantidos 
por mais de mil desenvolvedores Debian, tornando-se a primeira versão a estar disponível via
DVD e CD-ROMs.

<!-- (jfs) # of source packages? : 
~$ grep ^Source  /var/lib/dpkg/available | sort -u | wc -l
1442

????
-->
<!--
<p>Debian 3.1 (<em>sarge</em>) was released XXX
..>
-->
<!--(jfs) NOTE: Xandros is up and running http://www.xandros.com/ and
so is Lindows http://www.lindows.com/-->

</sect>

<sect>Eventos Importantes 

<sect1>Julho de 2000: Joel Klecker morre

<p>
Em 11 de Julho de 2000, Joel Klecker, que também era conhecido como Espy, morreu aos 
21 anos de idade. Ninguém que viu 'Espy' no #mklinux, nas listas Debian ou 
nos canais sabia que atrás do nick havia um jovem que sofria de uma forma de 
<url
id="http://mdausa.org/disease/dmd.html" name="distrofia muscular">.  A maioria das pessoas o
conhecia apenas como o cara "da glibc e do powerpc do Debian" e não tinha a menor idéia do
sofrimento que Joel passava. Apesar de seu defeito físico, ele compartilhou sua grande mente
com outros.

<p>
Joel Klecker (também conhecido com Espy) nos fará falta.
</sect1>

<sect1>Outubro de 2000: Implementação da Fila de Pacotes

<p>
James Troup <url
id="http://lists.debian.org/debian-devel-announce-0010/msg00007.html"
name="relatou"> que ele esteve trabalhando na re-implementação das ferramentas
de manutenção do arquivo e trocando para a fila de pacotes. A partir dessa data, 
os arquivos são guardados em um diretório denominado após a inserção do pacote 
fonte correspondente dentro do diretório de filas. Os diretórios de distribuição
terão apenas os arquivos Packages que contém referências para a fila. Isto simplifica
a transição entre distribuições como teste e instável. O arquivo também passa a ser
dirigido por uma base de dados PostgreSQL que também aumenta a velocidade das pesquisas. 

</sect1>

<sect1>Março de 2001: Christopher Rutter morre

<p>
Em 1 de Março de 2001, Christopher Matthew Rutter (também conhecido como cmr) 
morre após ser atropelado por um carro aos 19 anos.  Christopher era um jovem
e conhecido membro do projeto Debian que ajuda no porte para ARM.
<p>

Sentiremos falta de Chris Rutter.

</sect1>

<sect1>Março de 2001: Fabrizio Polacco morre

<p>
Em 28 de Março de 2001, Fabrizio Polacco faleceu depois de um longo período doente. 
O projeto Debian honra seu ótimo trabalho e forte dedicação ao Debian e ao Software
Livre. As contribuições de Fabrizio não serão esquecidas e outros desenvolvedores
continuaram seu trabalho. 

<p>
Sentiremos falta de Fabrizio Polacco.

</sect1>

<sect1>Julho de 2002: Martin Butterweck morre

<p>
Em 21 de Julho de 2002, Martin Butterweck (também conhecido como blendi) 
morre após lutar contra a leucemia. Martin era um jovem membro do projeto
Debian e havia se juntado ao projeto recentemente. 

<p>
Sentiremos falta de Martin Butterweck.

</sect1>

<sect1>Novembro de 2002: Incêndio queima servidor Debian

<p>Perto das 08:00h de 20 de Novembro de 2002, o Centro de Operações de
Rede da Universidade de Twente (NOC) pegou fogo. O prédio queimou até 
desabar. Os bombeiros tentaram proteger a área do servidor. Entre outras
coisas o NOC hospedava o satie.debian.org, que continha tanto os arquivos
da security como do non-US e as base de dados de novos mantenedores (nm)
e do time de qualidade (qa). O Debian reconstruiu estes serviços na
máquina klecker, que foi recentemente movido dos E.U.A para a Holanda. 
</sect1>

</sect>

<sect>O que vem a seguir?

<p>
O Projeto Debian continua a trabalhar na distribuição <em>instável</em>
(codinome <em>sid</em>, o infernal e "instável" menino vizinho do filme
Toy Story, que nunca deve sair para o mundo). Sid é o nome permanente 
da distribuição instável e está 'sempre em desenvolvimento' (em inglês, 
o termo seria 'Still In Development' - SID :).  Os pacotes mais novos 
ou atualizados são enviados para esta distribuição. 

<p>A versão <em>teste</em> tem como intenção tornar-se a próxima versão
estável e seu codinome atual é <em>sarge</em>.  Os pacotes migram 
semi-automaticamente da <em>instável</em> para a <em>teste</em> através
do atual gerente de lançamento, Anthony Towns e de alguns scripts para 
manter a integridade. 

<p>
Para a sarge, o Debian está trabalhando em uma nova interface de instalação
chamada <em>debian-installer</em>, na nova Glibc 2.3 e no novo GNU GCC
3.2.

</sect>
</chapt>

<appendix id="manifesto">O Manifesto Debian

<p>
Escrito por Ian A. Murdock, revisado em 01/06/94

<sect>O que é o Debian Linux?

<p>
Debian Linux é um novo tipo de distribuição Linux. Ao invés de ser desenvolvido por
uma ou um grupo isolado de pessoas, como outras distribuições de Linux foram, o Debian
está sendo desenvolvida abertamente, no espírito do Linux e da GNU.

O objetivo principal do Projeto Debian é criar uma distribuição que viva acima do nome
Linux. A Debian está sendo feito cuidadosamente e conscientemente, e será mantido
da mesma forma. 

<p>
É também uma tentativa de criar uma distribuição não-comercial, que será capaz de competir
eficientemente no mercado comercial. Será, eventualmente, distribuída pela Free Software 
Foundation em CD-ROM, e a Associação Debian GNU/Linux oferecerá a distribuição em disquetes
e fitas, juntamente com manuais impressos, suporte técnico e outros itens essenciais para o 
usuário final. O citado acima estará disponível por pouco mais que o custo, e o resto será
aplicado no desenvolvimento do software livre para todos os usuários. Tal distribuição é
essencial ao sucesso do sistema operacional GNU/Linux no mercado comercial, e deve ser feito
através de organizações numa posição em que se possa avançar e defender o software livre sem
visar lucros ou retornos.
</sect>

<sect>Por que o Debian está sendo construído?
<p>
Distribuições são essenciais ao futuro do Linux. Especialmente, se elas eliminam a necessidade do usuário localizar, copiar, compilar, instalar e integrar um enorme número de ferramentas essenciais para construir um sistema Linux. Porém, o trabalho de construção do sistema é associado ao criador da distribuição, cujo trabalho pode ser compartilhado com milhares de outros usuários. Quase todos os usuários de Linux terão seu primeiro contato com esse sistema através de uma distribuição, e a maioria desses usuários continuará usando uma distribuição por questão de conveniência, depois que eles estejam familiarizados com o sistema operacional. Desta maneira, as distribuições representam um papel realmente importante.
<p>
Apesar da óbvia importância, as distribuições têm chamado a atenção de desenvolvedores. Há uma razão simples para isso: elas não são simples nem 'legais' de construir e requerem uma grande quantidade de esforço e tempo de seu criador para que ela mantenha-se livre de erros e sempre atualizada. Uma coisa é criar um sistema do 'nada'. Outra coisa é ter certeza que o sistema é fácil dos outros instalarem, que funcionará com uma larga variedade de configurações de hardware, que conterá programas que serão úteis aos outros, e que será atualizado quando seus componentes são melhorados. 
<p>
Muitas distribuições começaram como sistemas muito bons, mas com o passar do tempo, a manutenção da distribuição recebe uma atenção secundária. Um exemplo é a Softlanding Linux System (mais conhecida como SLS). É possivelmente a distribuição que possui maior número de problemas e de pior manutenção, mas, infelizmente, pode ser também a mais popular. É, com certeza, a distribuição que atrai mais atenção dos "distribuidores comerciais" de Linux que se aproveitam da crescente popularidade desse sistema. 
<p>
Esta é realmente uma combinação ruim, pois a maioria das pessoas que obtém o Linux desses "distribuidores" recebe uma distribuição cheia de defeitos e muito mal administrada. Como se isso não fosse suficiente, esses "distribuidores" têm uma tendência a promover "funções" de seus produtos que não são funcionais ou extremamente instáveis. Some isso ao fato de que os compradores irão, logicamente, esperar do produto todas as suas funções funcionando perfeitamente e que alguns acreditam que ele seja um sistema operacional comercial (também há uma tendência a não mencionar que o Linux é livre e que é distribuído sob a Licença Pública Geral GNU). Finalizando, esses "distribuidores" estão atualmente ganhando bastante dinheiro para manter anúncios enormes em revistas; é o clássico exemplo de comportamento inaceitável sendo recompensado por aqueles que não sabem muito. Definitivamente algo precisa ser feito para remediar a situação.
</sect>

<sect>Como o Debian tentará pôr fim a esses problemas?
<p>
O processo de planejamento do Debian é aberto para que se tenha certeza que o sistema é da mais alta qualidade e que ele reflete as necessidades da comunidade de usuários. Por envolver muitas pessoas que têm diferentes habilidades e realidades, o Debian é capaz de ser desenvolvido de maneira modular. Seus componentes são de alta qualidade, pois, aqueles que têm mais experiência em uma certa área, têm a oportunidade de construir ou manter os componentes individuais do Debian pertinentes àquela área. Envolver outras pessoas também assegura que muitas sugestões muito úteis podem ser dadas e assim melhorar o sistema como um todo durante o seu desenvolvimento; desta maneira, uma distribuição é criada baseando-se principalmente nas necessidades dos usuários, ao invés das necessidades de seu construtor. É muito difícil para uma única pessoa ou um pequeno grupo de pessoas prever essas necessidades e desejos sem ter contato direto com outras pessoas. 

<p>
O Debian GNU/Linux também será distribuído em mídia física pela Free Software Foundation e pela Debian GNU/Linux . Isso torna disponível o Debian aos usuários que não têm acesso ao servidor FTP na Internet e também gera produtos e serviços, como manuais impressos e suporte técnico disponível para todos os usuários do sistema. Dessa maneira, o Debian pode ser usado pelo maior número possível de pessoas e corporações, a meta será prover um produto de primeira qualidade, não obter lucros ou retornos, e as melhorias providas ao software serão úteis ao usuário, tendo ele pago ou não. 

<p>
A Free Software Foundation representa uma peça importantíssima ao futuro do Debian. Pelo simples fato de distribuí-lo, uma mensagem estará sendo enviada ao mundo dizendo que o Linux não é um produto comercial e nunca deverá ser, mas não significa que o Linux não será capaz de competir com produtos comerciais. Para aqueles que discordam disso, desafio a imaginar o sucesso do GNU Emacs e do GCC, que não são produtos comerciais, porém produziram um grande impacto no mercado comercial, apesar desse fato. 
<p>
Chegou a hora de concentrar-se no futuro do Linux mais do que no destrutivo objetivo de enriquecer uma pessoa às custas da comunidade Linux inteira e de seu futuro. O desenvolvimento e a distribuição do Debian podem não ser a solução para os problemas que eu salientei no Manifesto, mas espero que atraia atenção suficiente para esses problemas, e para que eles sejam resolvidos.
</sect>

</appendix>

</book>